Outro PowerPoint killer?

julho 27, 2007

Surge no horizonte um novo candidato ao título de PowerPoint killer: o SlideRocket. Utilizando o Adobe Flex,  a nova ferramenta para aa criação de apresentações parece trazer recursos muito poderosos e uma flexibilidade para o criador inaudita, além da capacidade de trabalhar — na onda da Web 2.0 — tanto online quanto offline e, sendo absolutamente gratuíto, torna-se uma alternativa muito atraente (a bem da verdade, sempre me perguntei por quê pagar mil reais ou mais por uma suite do Microsoft Office se alternativas como o sliderocket; o OpenOffice e o Google Documentos e Planilhas suprem a maior parte de nossas necessidades de maneira gratuíta?). Se você quiser um preview do que o “bichinho” é capaz de fazer, clique aqui.

O verdadeiro PowerPoint killer, aliás, nasceu em 2003 e se chama Keynotes. Produzido pela Apple, ele faz basicamente a mesca coisa que o PowerPoint, mas de maneira muito melhor. Vejam, meus caros, o que diz Paul Maidment, em sua resenha para a revista Forbes:

How does Keynote stack up against PowerPoint? The snapshot summary of our head-to-head user test of the two programs is that they fundamentally do the same thing, and do it well, but Keynote does it with a superior elegance and simplicity of use that is Apple’s design trademark.

e continua:

Keynote’s graphics tools are where the program consistently scores over PowerPoint. Its out-of-the-box templates for the master design sides are fewer in number than PowerPoint’s (Keynote generally has fewer out-of-the-box bells and whistles than PowerPoint, probably a blessing for the forces of good design) but Apple’s choice of typography and color palates are as coordinated and tasteful as one would expect from the company.

Pessoalmente, desde que adquiri um computador Apple, no ano passado, sempre utilizei o Keynotes para criar minhas apresentações convertendo-as posteriormente ao formato do Powerpoint. Vale a pena!

[Via Garotos de Web]

Technorati Tags:

Anúncios

Pensamento do dia

maio 14, 2007

For me personally, if the Blue Monster has one purpose, if I have one reason for working with Microsoft, it’s to remind people that yes, Microsoft has a soul, even if they’ve never been particularly good at letting people see it. And yes, for all the baggage they have acquired over the years, there are some seriously smart, good people working there who yes, can still change the world for the better.

And the sooner they get better at telling people this, the happier I will be.

Hugh MacLeod in question for the blue monster crowd: “who owns the soul of microsoft?”

Deixo que tirem suas próprias conclusões…

Bonus links:

A Microsoft mostra suas garras

Technorati Tags:


O Pingüim no ‘PC para todos’ [atualizada]

janeiro 20, 2007

Por opção do Governo Federal, os computadores de baixo custo, criados pelo programa “PC para Todos” vêm de fábrica com o sistema operacional Linux e a suite de produtividade OpenOffice pré-instalados, o que acaba gerando diversos transtornos aos usuários, principalmente àquele usuário leigo, publico ao qual o programa, prioritariamente, se destina.

Acredito que a melhor solução de software, neste caso, seria o Windows XP Home Edition, mesmo tendo como conseqüência um preço final ligeiramente superior ao praticado atualmente.

E vocês, o que acham?

Atualização (21/01/2007 às 14:49h):  Devido à relevância dos dados apresentados, respondo aqui ao último comentário do leitor ASF: Eu também acho que o Governo estava imbuído das melhores intenções quando escolheu o modelo de software livre para o seu programa de inclusão digital.

Entretanto, como mostra uma recente pesquisa do Jornal “A Folha de São Paulo , “73% dos usuários dos micros populares trocaram o sistema baseado em Linux, que é gratuito e já vem instalado nas máquinas, pelo Windows, que é pago. A sombra da pirataria vem de outro dado: apenas 26% dessas pessoas pagaram pela troca”.

Se, no que tange ao hardware, o programa “PC para Todos” está efetivimente diminuindo a participação do “mercado cinza”, no que tange ao software, não seria mais sensato oferecer ao consumidor final, na hora da compra, uma segunda opção de Sistema Operacional? Afinal, gostemos ou não, o Windows está presente na maioria dos notebooks e desktops. E é exatamente este sistema operacional que as pessoas esperam encontrar quando ligam, pela primeira vez, seu computador novinho em folha…

Infelizmente, meu caro, não se vence a força do mercado por decreto…


O Vista corre o risco de naufragar?

janeiro 19, 2007

Why is Vista such a catastrophe and how does this affect the Open Source/Free Software community? Part of the problem, I think, is that Vista essentially does nothing new, and has no new features that are of interest to the general computer using public. The veteran IT journalist Nicholas Petreley (now editor of Linux Journal) created his first law of computer journalism, which is “No technology exists until Microsoft invents it”. This held true while Microsoft systems were so primitive that every new release was a vast improvement on the previous one. The public “oohed” and “ahhed” over such exciting new features as multi-tasking, and overlapping windows; even as people in the industry tried to point out that every new feature was merely copied from other, more sophisticated systems. The problem for Microsoft is that most of this copying has already been done. Windows XP actually has most of the features of Linux and the Mac, though I’d complain they’re implemented poorly in Windows. Even if Vista has improved on the implementation, what kind of a marketing message is “we now do things properly”?

Jeremy Allison, falando sobre o Windows Vista

[via Graffiti]


Governo define configuração do notebook popular

janeiro 18, 2007

O projeto do governo, conhecido como “notebook para todos”, acabou de definir a configuração mínima dos equipamentos portáteis que ganharão isenção de tributos e impostos (isenção de 9,25% nos impostos PIS e Cofins).

Financiado pelo BNDES, o computador contará com processador com 1,4 GHz, memória de 256 MB, disco rígido de 40 GB, interface Ethernet, acesso a redes Wi-Fi, modem e display LCD de, no mínimo, 14 polegadas e, como já acontece com micros dentro do programa Computador para Todos, terá o sistema operacional Linux. O seu preço deverá variar, para o consumidor final, entre R$ 1.700,00 e R$ 1.800,00.


Microsoft fecha parceria com fabricante de software livre

novembro 1, 2006

Do G1. A Microsoft acaba de anunciar a conclusão de uma parceria de longo prazo com a empresa Zend, uma fornecedora-chave de ferramentas para a criação de software de fonte aberta que compete com os programas Microsoft Windows.

O principal objetivo desta interação é melhorar a integração dos softwares criados em PHP com a plataformaWindows. “O PHP sempre funcionou com o Windows. O problema é que nunca funcionou muito bem”, disse Andi Gutman, co-fundador e vice-presidente de tecnologia da Zend. A linguagem PHP, desenvolvida 12 anos atrás, é usada em mais de 22 milhões sites da Web, e por mais de 15 mil empresas.

Maiores informações, aqui.