Outro PowerPoint killer?

julho 27, 2007

Surge no horizonte um novo candidato ao título de PowerPoint killer: o SlideRocket. Utilizando o Adobe Flex,  a nova ferramenta para aa criação de apresentações parece trazer recursos muito poderosos e uma flexibilidade para o criador inaudita, além da capacidade de trabalhar — na onda da Web 2.0 — tanto online quanto offline e, sendo absolutamente gratuíto, torna-se uma alternativa muito atraente (a bem da verdade, sempre me perguntei por quê pagar mil reais ou mais por uma suite do Microsoft Office se alternativas como o sliderocket; o OpenOffice e o Google Documentos e Planilhas suprem a maior parte de nossas necessidades de maneira gratuíta?). Se você quiser um preview do que o “bichinho” é capaz de fazer, clique aqui.

O verdadeiro PowerPoint killer, aliás, nasceu em 2003 e se chama Keynotes. Produzido pela Apple, ele faz basicamente a mesca coisa que o PowerPoint, mas de maneira muito melhor. Vejam, meus caros, o que diz Paul Maidment, em sua resenha para a revista Forbes:

How does Keynote stack up against PowerPoint? The snapshot summary of our head-to-head user test of the two programs is that they fundamentally do the same thing, and do it well, but Keynote does it with a superior elegance and simplicity of use that is Apple’s design trademark.

e continua:

Keynote’s graphics tools are where the program consistently scores over PowerPoint. Its out-of-the-box templates for the master design sides are fewer in number than PowerPoint’s (Keynote generally has fewer out-of-the-box bells and whistles than PowerPoint, probably a blessing for the forces of good design) but Apple’s choice of typography and color palates are as coordinated and tasteful as one would expect from the company.

Pessoalmente, desde que adquiri um computador Apple, no ano passado, sempre utilizei o Keynotes para criar minhas apresentações convertendo-as posteriormente ao formato do Powerpoint. Vale a pena!

[Via Garotos de Web]

Technorati Tags:


Microsoft prepara a nova geração do seu ‘iPod Killer’

maio 15, 2007

A Microsoft começa, na surdina, a desenvolver sua nova geração de tocadores de MP3. As novidades não se limitam a reformulação do já conhecido Zune equipado com Hd interno. O novo alvo é o iPod nano, o maior sucesso de vendas da linha iPod, pois tudo indica que em breve veremos nas lojas uma nova linha de players Microsoft equipados com memória flash de, ao menos, 8 GB (há planos, também, para um tocador com 16GB).

O novo Zune com HD será, segundo tudo indica, mais leve e menor do que os produzidos atualmente e sofrerá, sem dúvida, grandes mudanças em seu design (mais do que necessárias, eu diria…). Segundo Jason Raindorp, diretor de marketing do Zune: “There are definitely some cost efficiencies, but the more important thing from our perspective is the flexibility and control we have in creating a device from scratch and making it down to the last component what we want it to be“.

[Via Neowin.net]


Malwares, Sistemas Operacionais e outras avenças

março 21, 2007

Interessantes os dados divulgados ontem, 20/03, pelo McAfee’s Avert Labs Blog. Vejam o que eles dizem:

Today we know of over 236,000 malicious malware items. These are mostly meant for the MS-Windows environment. Only about 700 are meant for the various Unix/Linux distributions. Current known Mac OSX malware count is even less with 7, so pretty much non-existent at the moment. For older builds of the MacOS there are 69 known malicious items, with an additional 8 items for MacHC that used hypercard script extensions which had to be manually installed as an addon package.

Malware writers tend to write for systems that are the mostly widely used. With Microsoft Windows being dominant in the desktop market it is clear why the most malware is written for it. Also, prior to Vista, the various Windows versions were pretty much wide open, full access, making it relatively easy for malware to abuse.

É natural que, por ser o sistema operacional dominante, o Windows atraia mais a atenção dos indivíduos mal-intencionados, os quais têm por objetivo invadir qualquer máquina computacional que encontrem pela frente. O que realmente me preocupa é a conjunção dessa realidade com os fracos desempenhos obtidos nos últimos testes pelo Microsoft Live OneCare e pelo Windows Defender, o anti-spyware padrão do Windows Vista, considerado o sistema operacional mais seguro já feito pela Microsoft.

Tudo se torna ainda mais grave ao lermos as últimas declarações do sr. Arno Edelmann, gerente de marketing de produtos de segurança da Microsoft, ainda mais quando ele afirma que, usualmente, a Microsoft não desenvolve seus produtos, mas os compra de terceiros.

Uma vez que o mercado para produtos de segurança vêm ganhando tanta importância, não seria a hora da Microsoft começar a desenvolver seus próprios produtos, investindo fortemente na contratação de mão-de-obra qualificada para isso? Certamente, milhões de usuários se tornarão muito mais felizes quando o Windows — seja de qual versão for — atingir o nível de confiabilidade do Mac OS X.

Technorati Tags:


DRM em vias de extinção?

fevereiro 9, 2007

Sem dúvida, os que militam pelo fim do DRM (Digital Rights Management) — dentre os quais eu me incluo — ganharam, nesta semana, um aliado de peso: Steve Jobs. Vejam o que diz em seu último post, dentre outras coisas, o CEO da Apple:

Much of the concern over DRM systems has arisen in European countries. Perhaps those unhappy with the current situation should redirect their energies towards persuading the music companies to sell their music DRM-free. For Europeans, two and a half of the big four music companies are located right in their backyard. The largest, Universal, is 100% owned by Vivendi, a French company. EMI is a British company, and Sony BMG is 50% owned by Bertelsmann, a German company. Convincing them to license their music to Apple and others DRM-free will create a truly interoperable music marketplace. Apple will embrace this wholeheartedly.

Leia o resto deste post »


‘Uninspiring Vista’

janeiro 21, 2007

Ironically, playing around with Vista for more than a month has done what years of experience and exhortations from Mac-loving friends could not: it has converted me into a Mac fan.

[…]

Struggling to get my computer to do the most basic things reminded me forcefully of similar battles with previous versions of Windows–for instance, the time an MIT electrical engineer had to help me figure out how to get my computer to display anything on my monitor after I upgraded to Windows 98. Playing with OS X Tiger in order to make accurate comparisons for this review, I had a personal epiphany: Windows is complicated. Macs are simple.

Erica Jonietz, editora sênior da revista MIT Technology Review, explicando em seu artigo como o Windows Vista a tornou uma ardorosa fã — e usuária — do Mac OS X.

[Via Tuaw]


A posição do Brasil no índice iPod nano

janeiro 18, 2007

Segundo o banco australiano Commonwealth Bank, o Brasil é o lugar mais caro do mundo para se comprar um iPod nano. Os detalhes estão aqui.


‘Eu compraria um Mac’ – A íntegra do e-mail de Jim Allchin

janeiro 12, 2007

Lembram-se quando Jim Allchin escreveu — em um e-mail para Bill Gates — que compraria um Mac caso não trabalhasse na Microsoft? Pois hoje foi revelada a íntegra desta mensagem:

imagem3.png

[Via Microsoft Watch]